⇒ Moeda Libra do facebook - Como vai funcionar

Share:



A moeda libra Será muito diferente do Bitcoin ou do Ethereum, que são projetos independentes e a prova de censura, que não visam o lucro para nenhuma empresa ou grupo específico e são sistemas distribuídos.
A Libra será um sistema de pagamento muito similar ao Paypal, mas controlado pelo Facebook em um Blockchain próprio, centralizado, em conjunto com empresas parceiras (Calibra), que vão desembolsar 10 milhões de dólares cada uma, para manter um nó do sistema e direito a voto.
Diferente das criptomoedas que têm suprimento fixo, a Libra será apenas uma representação digital ilimitada do dinheiro fiduciário, com lastro em várias moedas e um valor fixo que pode variar sutilmente, como o Real ou o dólar flutuam em relação ao Euro, por exemplo.

A moeda libra será uma ameaça ao Bitcoin

O objetivo da Libra não é acabar com o Bitcoin, e sim oferecer sua alternativa para métodos de pagamentos como Apple Pay e Google Pay.

A Libra talvez nem seja uma criptomoeda, e sim um token com lastro em dólares e outras moedas, que pode ser transferidos entre contas dos usuários pelos aplicativos da empresa, como Whatsapp e Instagram, a exemplo do que já acontece com os apps Venmo com dólares e WeChat com Yuans.

Sendo uma nova “Stable coin” é provável que não haja interesse em negociar nas principais exchanges, pois sem valorização a Libra será neutro, enquanto investimento.

Independente da capitalização que a libra possa alcançar é improvável que uma nova moeda centralizada, lastreada no dólar e em outras moedas nacionais, e controlada por uma empresa que não conseguiu nem proteger o cadastro dos usuários, substitua ou ameace a existência do Bitcoin.

O que é Calibra?


Calibra é uma carteira virtual desenvolvida pelo Facebook especialmente para gerenciar a Libra. Com ela, o usuário poderá enviar, poupar e gasta libra.

A calibra poderá se acessada pelo messenger e pelo whtassap e, mas a frente, em um aplicativo próprio A ideia é que o serviço permita enviar dinheiro pelo smartphone da mesma maneira que se envia uma mensagem ou uma foto como hoje.

A vantagem do Facebook é sua base de usuários, que poderão enviar e receber Libras por aplicativos populares do grupo, como o WhatsApp e Instagram. A Libra pode ser usada nos marketplaces e como pagamento para impulsionar publicações nas plataformas.

Como sera os cadastros para usar a moeda libra?




Em se tratando de uma “criptomoeda” o Facebook poderá ampliar seu banco de dados, exigindo documentos como CPF, RG, passaporte e endereço para habilitar seus usuários.

Atualmente o Facebook não tem como diferenciar uma perfil Fake de outro real (em muitos casos), mas agora isso pode mudar com a Libra.

Estes dados servirão para aumentar o conhecimento que o Facebook tem sobre a vida de seus usuários, o que pode melhorar cada vez mais a capacidade do Facebook de vender anúncios.

E em troca destes dados fornecidos, a Libra, provavelmente não vai compensar os usuários, a não ser com a possibilidade de enviar pagamentos usando o Facebook.

As estrategias do Facebook

Desde 2017 o Facebook baniu as propagandas de ICOs alegando que as criptomoedas eram perigosas e ICOs são golpes.

A intenção era retardar o surgimento de alguma rede social distribuída, ou um facebook genérico sem intermediários que roubam dados confidenciais.
Já existem Criptomoedas em rede social como o Steem (câmbio flutuante) e o Steem dollar (lastro em dólar), que remunera os autores por seu conteúdo, e os usuários pela curadoria (likes remunerados), ainda paga incentivos (juros) para manter a Moeda Steem em carteira.

Qual a diferença do Bitcoin e da Libra


A Libra será uma stable coin (moeda estável), se o projeto sair do papel um dia. Segundo as informações divulgadas, o preço da moeda será fixo em função do valor de algumas moedas importantes, como dólares, euros e outras.
Com uma base de usuários imensa, as chances de que a Libra facilite transações monetárias entre os usuários das plataformas do Facebook são promissoras.

A crítica mais comum à Libra é a forma como será dada a garantia de contrapartida, de forma transparente e confiável, sem risco de manipulação do valor e emissão de tokens sem lastro em dinheiro.
Na teoria, a Libra e seus associados devem garantir que para cada token emitido existe o equivalente em dinheiro, sejam euros ou dólares.
Como é controlado por empresas, a Libra tem riscos de ser confiscada, censurada e até mesmo proibida.
Já o Bitcoin é uma iniciativa independente, uma moeda internacional e um sistema de pagamentos que não pode ser controlado por ninguém, e não tem nenhuma relação com as moedas soberanas dos países. Por isso seu valor pode flutuar livremente ao sabor da lei da oferta e demanda.
O Bitcoin não visa lucro porque não é uma empresa, e tudo é realizado pelos próprio integrantes do sistema que podem ser qualquer pessoa interessada. Um Bitcoin não pode ser censurado ou confiscado.
Com a maior força de processamento mundial, o Bitcoin é um sistema inviolável, transparente e livre, que entretanto ainda é complexo e desconhecido da maior parte das pessoas que pensam que Bitcoin é um tipo de investimento.

Quem será o dono da Libra


No princípio pode-se dizer que sim, já que o Facebook é a empresa que está bancando tudo no começo, mas bem cedo a governança muda, sendo passada para a Libra Association que será a responsável (dona se assim preferir).


Como obter a moeda Libra?

No momento não será possível adquirir a Libra porque ainda nem foi lançada, será lançada a partir de 2020 e poderá comprar e vender online usando o aplicativo de carteira Calibra como foi dito acima.


Você vai gostar:

Nenhum comentário